Começou a jogar futebol num reservatorio de agua em Santa Catarina, hoje joga numa das melhores ligas da Europa

1881

Falamos de um jovem que nasceu em Boa Entrada, em Santa Catarina (Ilha de Santiago), e hoje esta na França, uma das ligas mais competitivas na Europa.

O Jornal francês Liberation foi conversar com o futebolista Gelson Fernandes que contou tudo sobre a sua vida desde quando nasceu em Boa Entrada, Santa Catarina, ate o momento que chegou à França.

Gelson Fernandes nasceu a 02 de Setembro de 1986 em Boa Entrada, Santa Catarina, onde foi ali que começou a dar os primeiros toques na bola, descalço e num reservatorio de agua que quando não tinha agua servia para a pratica do futebol. Foi criado pela avo pois o pai emigrou antes deste nascer e a mãe anos depois seguiu o caminho da emigração.

“Hoje pagam-me para jogar a bola. A minha força e a minha energia vem desde que comecei naquele tanque onde a baliza nos é que desenhamos na parede. Na altura levava o futebol como um divertimento”, começa Gelson.

“Aos seis anos mandaram-me para a Europa. No dia da minha partida a minha avo procurou-me por todo o canto pois eu estava escondido. Não queria viajar. Não entrei no avião naquele dia mas no dia seguinte estava eu lá dentro.” conta o futebolista.

“Chegando a Suiça comecei a frequentar uma escola de futebol onde pagava 40 a 50 euros por ano com treino uma vez por semana. Foi aí que senti que era bom de bola”.

“A minha mãe criou-nos sozinha e tinha dois trabalhos. Um dia, com dez anos, o meu professor foi dizer a minha mãe que o futebol andava a prejudicar a escola e foi aí que ela disse que o futebol para mim acabou. Chorei, pedi muito e ela voltou a deixar-me jogar com a promessa de que iria aplicar-me nos estudos”.

O Primeiro clube de Gelson foi o Sion, da Suiça, onde este formou ate chegar a equipa principal em 2003. Em 2006 foi para Inglaterra para jogar no Manchester City mas era cobiçado por vários grandes clubes europeus pois na selecção jovens da Suiça era uma das promessas.

Foi para a Inglaterra sozinho e no City de Sven-Göran Eriksson, disputava o lugar com mais 30 jogadores. Em 2008 muda de clube, vai para o Saint Etienne da primeira divisão francesa mas as cosias não estavam sendo fáceis pois o clube enfrentava dificuldades financeira e desportiva, o treinador na altura foi despedido e Gelson foi emprestado. Jogou no Chievo (Itália), Leicester City (Inglaterra), Udinese (Itália), Sporting (Portugal) e Sion.

“Ser jogador emprestado não é bom porque por vezes a equipa não quer que evoluías porque não é com eles que tens contrato, outras vezes o treinador coloca-te no banco porque o jogador deles voltou da lesão e tu simplesmente deixas de existir”, afirma o jogador que conta que destes clubes foi no Chievo que mais dificuldades enfrentou. “No Chievo Veron enviaram-me até uma carta para casa onde diziam que ali não era o meu lugar”, acusa Gelson.

Em 2007 estreia-se pela primeira vez com a camisola da selecção da Suiça onde ate ao momento já vestiu tal camisola por 52 vezes.

“Em 2013 voltei para o Sion porque a minha mãe ficou doente e eu tive de voltar para ficar ao lado dela”.

Esteve uma temporada no Sion e depois transferiu-se para SC Freiburg, da Alemanha, onde também por lá ficou por uma época. Foi vendido ao Rennes por 1,6 milhões de euros e tem contrato ate 2018 com o clube francês que é terceiro lugar na Ligue 1 que vai na quarta jornada.

Ate ao momento nos quatro jogos Gelson, que joga a médio, jogou três deles e todos 90 minutos.