Depósitos no Novo Banco podem ser levantados ou transferidos para outro banco sem restrição

0
446

O Banco de Cabo Verde (BCV) reiterou a segurança dos depósitos confiados ao Novo Banco, ora em processo de extinção e informa que o dinheiro pode ser levantado ou transferido para qualquer outro banco sem restrição.

Num comunicado enviado à Inforpress na sequência da medida de resolução aplicada ao Novo Banco S.A, o BCV tranquiliza os clientes desse banco e adianta que todos depósitos permanecem intactos e disponíveis para serem levantados ou transferidos para qualquer outro banco.

As operações devem ocorrer ainda nas agências do Novo Banco e posteriormente através da Caixa Económica.

“Não existem quaisquer motivos que comprometam a segurança dos depósitos que foram confiados ao Novo Banco S.A, pelo que os seus depositantes podem estar muito tranquilos”, realçou a entidade reguladora do sistema financeiro em Cabo Verde.

De igual forma o cliente depositante pode continuar normalmente a realizar pagamentos, levantamentos e transferências no Novo Banco e utilizar os seus cartões de débito nas caixas automáticas.

Em relação aos clientes que têm contratos de crédito junto do Novo Banco, S.A, o BCV esclarece que a relação continuará até informação posterior, a ser efetuada com o Novo Banco objecto de resolução, exigindo-se dos clientes, reembolsos periódicos (capital e juros) junto do Novo Banco S.A., nos mesmos termos em que eram efetuados anteriormente.

“O Banco de Cabo Verde reitera o seu firme compromisso em tudo fazer para assegurar a total protecção dos depósitos das famílias, das empresas e outras entidades constituídos junto do Novo Banco, S.A., ora sob medida de resolução, e de assegurar a continuidade dos serviços financeiros essenciais, salvaguardando a estabilidade do sistema financeiro”, lê-se no comunicado.

Criado em 2010 sob a forma de sociedade anónima o Novo Banco tinha por objectivo estimular o acesso a microcrédito e combate à pobreza, mas de acordo com Banco de Cabo Verde (BCV) nunca conseguiu estabelecer-se solidamente no mercado financeiro nacional, já que fugiu à missão para o qual foi criado.

A resolução do BCV emitido no dia 08 de Março foi a primeira para a extinção administrativa do Novo Banco, que representará um prejuízo estimado de um milhão e 800 mil contos ao Estado e mandando cerca de 60 trabalhadores para o desemprego.

O processo de extinção deve estar concluído dentro de dois a três meses, conforme previsão do BCV e do Governo.

Esta terça-feira, uma delegação dos trabalhadores do Novo Banco foi recebida a seu pedido pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, a quem solicitaram uma intervenção junto das autoridades competentes no sentido de se salvaguardar os interesses da classe.

Em declarações à Inforpress a porta-voz do grupo explicou que o colectivo, cujo anúncio do encerramento do banco lhes “apanhou de surpresa”, quer que seja integrado noutros serviços da área financeira, garantindo deste modo os postos de trabalho, em detrimento de uma eventual indemnização.

Na tarde do mesmo dia e delegação foi recebida também pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, com quem abordou a situação, mas a respeito desse encontro “nada transpirou à imprensa”.

Fonte: Inforpress

Comentários