Estabelecimentos hoteleiros em Cabo Verde aumentam 3,1 por cento em 2016

0
400

O número de estabelecimentos hoteleiros em Cabo Verde aumentou 3,1 por cento (%) em 2016, face ao ano anterior, verificando-se maior acréscimo nas ilhas da Boa Vista e Brava.

Os dados são do inventário anual dos estabelecimentos hoteleiros divulgados ontem, quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que apontam igualmente que em 2016 existiam em Cabo Verde um total de 233 estabelecimento hoteleiros.

Essas infra-estruturas hoteleiras ofereceram uma capacidade de alojamento de 11.435 quartos, 18.382 camas e 24.376 lugares, traduzindo-se em acréscimos de 7,6%, 1,8% e 6,2% respetivamente, em relação ao mesmo período do ano anterior.

A nível de ilhas, Santiago lidera com 50 estabelecimentos de alojamento turístico, o que corresponde a 21,5% do total existente. Seguem-se as ilhas de Santo Antão, S. Vicente e Sal com 42, 41 e 29 estabelecimentos, respetivamente, representando 18,0%, 17,6% e 12,4%.

Segundo os dados do INE, a Boa Vista e a Brava são as ilhas onde ocorreram maior aumento, com a criação de mais dois empreendimentos cada, seguidos de São Vicente, Sal e Santiago, todos com acréscimo de um estabelecimento cada. Nas ilhas de Santo Antão, São Nicolau, Maio e Fogo não se registaram variações.

Conforme os resultados do inventário anual, verificou-se maior aumento nas residenciais, com mais seis estabelecimentos, face ao ano 2015, seguidas dos hotéis (+5), pousadas (+2) e aldeamentos turísticos (+1).

Aponta ainda que os decréscimos ocorreram nas Pensões (-5) e nos hotéis apartamentos com menos dois estabelecimentos.

Considerando a tipologia dos estabelecimentos hoteleiros, as residenciais continuam a ser os estabelecimentos com maior peso, representando cerca de 33,0% do total, ficando as pensões e os hotéis em segundo e terceiro lugares com 27,5% e 25,3%, respetivamente.

Em finais de 2016, os estabelecimentos hoteleiros inventariados empregavam cerca de 7.742pessoas, o que corresponde a um acréscimo de 20,5% em relação ao ano 2015.

Fonte: Inforpress

Comentários