Baciro Djá diz que foi demitido de PM na Guiné-Bissau por pressões de Portugal

38

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau Baciro Djá disse hoje que foi demitido do cargo de chefe de governo, funções que ocupou em 2015 e 2016, por pressões de Portugal, sobre o Presidente guineense, José Mário Vaz.

Num comício na aldeia de K3, no centro da Guiné-Bissau, Djá, de 45 anos, afirmou que José Mário Vaz recebeu pressões de vários chefes de Estado para o tirar da chefia do Governo, nomeadamente por parte de Portugal que não gostou do facto de ter substituído Domingos Simões Pereira, disse.
 

“Vão dizer ao Jomav que sei que ele me tirou do cargo de primeiro-ministro porque recebeu pressões de alguns chefes de Estado, sobretudo de Portugal”, defendeu Baciro Djá, referindo-se ao diminutivo pelo qual é também conhecido o Presidente do país.

Baciro Djá, agora líder da Frente Patriótica de Salvação Nacional (Frepasna), foi primeiro-ministro entre 20 de agosto a 17 de setembro de 2015, e mais tarde, entre 27 de maio a 18 de novembro de 2016.

Expressando-se em crioulo, o antigo primeiro-ministro guineense explicou aos presentes no comício que José Mário Vaz o teria inquirido uma vez sobre os motivos pelos quais alguns dirigentes de Portugal não gostavam dele (Baciro Djá), ao ponto de pedir a sua exoneração.

Baciro Djá disse também que Domingos Simões Pereira foi condecorado por Portugal e “quando assim é esse país não gosta de ver cair a pessoa”.

Para o líder da Frepasna, Domingos Simões Pereira “é um agente português na Guiné-Bissau”.

“Disse ao Presidente que os fascistas portugueses nunca me vão perdoar”, acrescentou Djá para sublinhar não ser contra o Governo e o povo portugueses, mas sim contra os neocolonialistas que também disse existirem na Guiné-Bissau.

Baciro Djá defendeu ainda ter indicações de que “muitos interesses” se conjugaram para exigir a sua saída da chefia do Governo guineense.

“Há países que não ficaram contentes quando ameacei retirar licenças de pesca a 18 navios que pescam nas nossas águas, mas que descarregam o pescado no Senegal”, afirmou Djá, realçando ter consciência de que algum país não ficou contente com aquela ameaça.

O líder da Frepasna disse que o seu partido está pronto para ir às eleições, agora, em dezembro, em janeiro ou no início de fevereiro, mas que não ia aceitar para além daquela data.

Por: Lusa