Cabo Verde inicia vacinação de crianças e adolescentes a 16 dezembro

196
Cabo Verde vai começar na quinta-feira a vacinar cerca de 60 mil crianças e adolescentes dos 12 aos 17 anos contra a covid-19, informou hoje do diretor nacional de Saúde, que pediu o consentimento dos pais.
 

Em conferência de imprensa semanal para fazer o ponto de situação da pandemia no país, Jorge Noel Barreto disse que já está tudo a postos e os menores vão ser vacinados com as 200.070 vacinas da Pfizer oferecidas esta semana pelos Estados Unidos da América.

No total, disse que há cerca de 60 mil pessoas com idades entre 12 e 17 anos no país, sendo que a maior parte está nas escolas, um dos locais onde vai decorrer a vacinação, além dos atuais postos em todo o país, sobretudo para aqueles que não frequentam as escolas neste momento.

“Nós pensamos que a vacinação dos adolescentes deverá decorrer sem sobressaltos, porque nós já temos a experiência da vacinação de adultos”, realçou o especialista sanitário, que aproveitou para pedir o consentimento dos pais e encarregados de educação.

Mas o responsável entende que não haverá muita dificuldade neste sentido, tendo em conta a boa taxa de cobertura nacional dos adultos, que é neste momento de 83,4% com a primeira dose e 69,6% já completamente vacinados.

Jorge Barreto garantiu que Cabo Verde vai atingir ainda esta semana a meta de 70% de adultos completamente imunizados, mas salientou que vai depender de as pessoas comparecerem aos postos de vacinação.

O porta-voz do Ministério da Saúde aproveitou ainda para apelar às pessoas que completaram três meses após a segunda dose para tomarem a dose de reforço (a terceira), destinada aos idosos e doentes crónicos, profissionais de saúde, pessoal de bombeiros e proteção civil.

Nas últimas 24 horas, em 448 amostras analisadas, as autoridades de saúde não registaram qualquer caso de infeção pelo novo coronavírus e 24 pessoas tiveram alta, passando o país a ter agora 65 casos ativos.

Desde o início da pandemia, Cabo Verde registou um total de 38.503 casos positivos acumulados, 38.062 casos recuperados da doença e há 351 óbitos, o mais recente em 01 de dezembro.

Para o diretor nacional de Saúde, são “dados bastante animadores”, mas lembrou que a pandemia ainda não acabou, apelando ao “redobrar dos cuidados”, tendo em conta que se aproxima a época das festas do Natal e Ano Novo.

Nos últimos 14 dias, a taxa de transmissibilidade (RT) foi de 0,70% e a de incidência acumulada foi de 24 casos por 100 mil habitantes, “dentro do desejável”, segundo Jorge Barreto, insistindo, mesmo assim, nas medidas de proteção e vigilância e na vacinação.

A covid-19 provocou pelo menos 5.304.397 mortes em todo o mundo, entre mais de 269 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.