Cerca de 2.500 profissionais estão a ser formados na retoma do turismo

399

Cerca de 2.500 profissionais do setor turístico em Cabo Verde estão a ser formados, no âmbito do Plano de Renascimento do Turismo, preparando a retoma da atividade após a crise provocada pela pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

De acordo com informação divulgada pelo Ministério do Turismo e Transportes, a medida visa mitigar os efeitos da crise económica “no curto prazo” e preparar a retoma do setor, que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, com ações de formação em várias atividades e em todas as ilhas.

Na mesma informação é explicado que já foram feitas formações de 253 guias de turismo em línguas estrangeiras, história e cultura de Cabo Verde, ainda 204 guias foram certificados em segurança sanitária, assim como 34 consultores sanitários, neste caso para “criar competências nacionais” em matéria de prevenção da covid-19.

Além disso, trabalhadores de 501 empresas de áreas como hotelaria, restauração, táxis e transportes, essencialmente nas ilhas turísticas do Sal e da Boa Vista, foram capacitados em segurança sanitária, com “o objetivo de lhes ser atribuído o selo ‘Bio&Safe’ envolvendo mais de um milhar de colaboradores”.

“Na essência, o fim último que se pretende com este programa de capacitação é a preparação do país para retoma do turismo, num contexto de maior concorrência com outros destinos e em que a qualidade e a segurança ganharão peso na decisão de quem viaja”, assegura o Ministério do Turismo e Transportes.

Acrescenta que “em carteira” está ainda um plano de formação que vai abranger mais 1.772 profissionais em todas as ilhas, incluindo os polícias de fronteira, trabalhadores dos aeroportos internacionais, guias de turismo e animadores, chefias intermédias dos hotéis ou agentes das agências de viagens e turismo, entre outros.

Estas ações de formação têm financiamento do Fundo do Turismo, do Banco Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde, Instituto de Emprego e Formação Profissional, Câmara de Comércio de Barlavento e autarquias locais.

A competitividade de Cabo Verde como destino – recorde de 819 mil turistas em 2019 – é igualmente um objetivo deste plano, inserido “numa vasta oferta formativa direcionada a todos os profissionais do setor do Turismo”.

As previsões oficiais apontam que a procura turística em Cabo Verde deverá ter recuado em 2020 a níveis de 2009, devido à pandemia de covid-19, com a perda de 536 mil turistas, menos 58,8% face à expetativa inicial do Governo.

No Orçamento do Estado para 2020, aprovado em dezembro de 2019, o Governo estimava um crescimento da procura turística de 6,6%, aproximando-se da meta anual de um milhão de turistas, depois de um crescimento de 7% em 2019.

Contudo, a previsão do Governo após a pandemia indica que Cabo Verde deveria receber apenas 337.555 turistas. Deste total, 170.778 são turistas que visitaram o país no primeiro trimestre de 2020, antes da pandemia.

Todas as ligações aéreas internacionais a Cabo Verde foram suspensas em 19 de março, por decisão do Governo, para travar a propagação da covid-19 no arquipélago, restrição que só começou a ser levantada em outubro.

Por: Lusa