“Chocado” com homicídio de cabo-verdiano, Primeiro Ministro italiano espera condenação severa

160

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, mostrou-se hoje “chocado” com os contornos do homicídio, em Roma, do cabo-verdiano Willy Monteiro Duarte, assumindo confiar numa condenação “severa” dos autores pela Justiça de Itália.

Numa mensagem que colocou esta tarde na sua página oficial na rede social Facebook, Giuseppe Conte assumiu que “a tragédia” que afetou a família do jovem de ascendência cabo-verdiana o “impressionou profundamente”.

“Deixou-me chocado. Um jovem que recentemente atravessou o limiar dos 20 anos, estudava e trabalhava, vivia plenamente as suas paixões, suas emoções. Cultivava seus sonhos e provavelmente estava exposto às tantas incertezas que preocupam os jovens, intenções de construir o seu futuro de vida pessoal e profissional”, apontou o primeiro-ministro italiano, na mensagem.

Willy Monteiro Duarte, de 21 anos, filho de pais cabo-verdianos, foi assassinado em Colleferro, nos arredores de Roma, na passada noite de sábado, tendo as autoridades detido quatro suspeitos.

O jovem morreu “depois de ter sido espancado até à morte”, após ter tentado acalmar uma rixa junto a um estabelecimento de diversão noturna, noticiou no domingo o jornal italiano La Republicca, num caso que nas últimas horas tem levado a forte comoção em Itália.

O primeiro-ministro italiano, que diz já ter transmitido os seus sentimos diretamente aos pais de Willy, afirma que as autoridades estão a investigar o caso e que “a Justiça certamente vai fazer o seu curso”.

“Confiamos que em breve se chegue a condenações severas”, assumiu, apelando ao “respeito da pessoa” pela sociedade, contra a violência.

De acordo com a imprensa italiana, Willy estava acompanhado de um amigo, tendo este sido atacado por um grupo na noite de sábado. A vítima mortal terá intervindo e pedido aos agressores para que estes parassem, mas o grupo de quatro jovens acabou por agredir Willy Monteiro Duarte.

Os suspeitos da morte do jovem, já detidos, têm idades entre os 22 e os 26 anos e estavam identificados pelas forças de segurança, estando conotados com elementos da extrema-direita.

A cara sorridente de Willy, um jovem que queria ser cozinheiro e sonhava jogar futebol na AS Roma, ocupa hoje lugar de destaque em todos os jornais e televisões em Itália. Durante a manhã de segunda-feira, a AS Roma partilhou, nas suas plataformas ‘online’ uma breve homenagem a Willy Monteiro.

“Willy Monteiro Duarte sonhava em um dia envergar a camisola ‘giallorossi‘ da sua amada AS Roma. Esse sonho terminou na noite passada, nas circunstâncias mais trágicas e brutais. As nossas condolências à família e amigos do Willy”, escreveu o clube, partilhando uma foto do jovem.

Filho de pais cabo-verdianos que se mudaram para Paliano, na província de Frosinone, há cerca de 30 anos, Willy Monteiro Duarte nasceu, tal como a irmã, em Roma, e estava integrado na vida de Paliano, tendo participado na equipa de futebol local, o ASD Paliano

Willy tinha deixado o clube para perseguir o objetivo de ser ‘chef’ de cozinha.

O presidente da câmara de PalianoDomenico Alfieri, decretou um dia de luto na localidade e mandatou o cancelamento de todos os eventos desportivos previstos para domingo.

Por: Lusa