Covid-19: Abraão Vicente diz a atriz portuguesa que ninguém está a morrer de fome em Cabo Verde (Vídeo)

8164

https://www.instagram.com/p/B_28kC2j1-Y/

O ministro da Cultura cabo-verdiano, Abraão Vicente, afirmou ontem “ninguém está a morrer de fome” no país, numa reação ao pedido de apoio para os cabo-verdianos feito pela atriz portuguesa Rita Pereira, devido à covid-19.

Numa mensagem colocada na sua conta oficial na rede social Facebook, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas dirigiu-se diretamente à atriz portuguesa, agradecendo a “preocupação”.

“Mas quero que saiba que ninguém está a morrer de fome em Cabo Verde. Quero que saiba que ‘fome’ é um tema muito sensível para os cabo-verdianos e agradecíamos que não se tocasse nela assim de forma tão superficial”, afirmou na mensagem, que termina pedindo à atriz para “que retire o vídeo onde diz que há crianças a morrer de fome” no país.

Horas antes, a atriz portuguesa divulgou um vídeo nas redes sociais, afirmando ter sido alertada pelo músico de origem cabo-verdiana Nélson Freitas para os efeitos que a pandemia de covid-19 está a ter no arquipélago.

“Há crianças a morrer de fome, mesmo aqui ao nosso lado, num país para onde os portugueses vão de férias, ser felizes e aproveitarem aquelas praias incríveis. Eu sei que há muitas pessoas em Portugal também a passar por isto, mas também há muitos cabo-verdianos a viver aqui. Se vocês puderem ajudar podemos fazer a diferença”, disse a atriz, no vídeo.

Numa alusão ao período colonial português, o ministro reagiu com a história do país: “Caso não saiba, Cabo Verde, ao longo da sua história passou, de facto, por vários ciclos de fome e morte. Ficámos marcados pela perda e pelo desaparecimento de famílias e gerações”, afirmou.

Recordou que “entre os anos de 1854-56 cerca de 25% da população do arquipélago morreu, também devido à fome”, que “as fomes de 1941-43 e 1947-48, mataram cerca de 45.000 pessoas” e que de 1946 a 1948 só a ilha de Santiago perdeu 65% de sua população “quer pela fome, quer pela emigração em massa”, nomeadamente para S. Tomé e Príncipe.

“É certo que ainda temos pobreza, temos famílias que precisam de auxílio do Estado e da comunidade mas podemos dizer taxativamente que após a independência de Cabo Verde (1975), graças a um esforço coletivo do nosso povo, dos nossos emigrantes e dos nossos parceiros internacionais conseguimos erradicar essa fome que mata crianças e velhos e que deixa cicatrizes na pele da nação”, retorquiu, dirigindo-se à atriz portuguesa.

Por: Lusa