Covid-19: Brasil com mais de mil mortos e de 20 mil infetados nas últimas 24 horas

167

O Brasil registou 1.086 mortes e 20.599 infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, estando ainda a ser investigada a eventual relação de 4.108 óbitos com a covid-19, informou hoje o executivo.

No total, o país sul-americano já ultrapassou a barreira das 25 mil mortes devido à covid-19, registando 25.598 vítimas mortais e 411.821 casos de infeção desde o início da pandemia no país.

Em relação aos pacientes recuperados, o número chega aos 166.647, sendo que 219.576 continuam sob acompanhamento, segundo o Ministério da Saúde.

O epicentro da doença no país é o estado de São Paulo, que concentra 6.712 óbitos e 89.483 pessoas diagnosticadas com covid-19. Segue-se o Rio de Janeiro, que tem oficialmente 4.605 mortos e 42.398 casos confirmados.

O Brasil é o segundo país do mundo com o maior número de casos de covid-19, apenas atrás dos Estados Unidos da América, que têm mais de 1,7 milhões de casos diagnosticados.

Contudo, o Brasil continua na lista dos países que menos testes realizados à covid-19, tendo feito até ao momento cerca de quatro mil testes por cada um milhão de habitantes (o país tem 210 milhões de habitantes), segundo o portal Worldometer, que compila quase em tempo real informações da Organização Mundial da Saúde, dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, de fontes oficiais dos países, de publicações científicas e de órgãos de informação.

A economia brasileira começa agora a dar sinais de reabertura, tendo o governador de São Paulo, João Doria, anunciado hoje que o comércio da região vai reabrir gradualmente a partir de 01 de junho.

“Manteremos a quarentena até 15 de junho, mas com a retomada de algumas atividades económicas”, afirmou Doria, em conferência de imprensa.

A reabertura gradual em São Paulo será dividida em cinco fases e, segundo o governador, ocorrerá nas regiões do estado em que há uma redução consistente no número de casos e que conta com camas disponíveis em hospitais públicos e privados.

“Essas fases seguirão a orientação da ciência, da medicina e da saúde, e temos dados técnicos para permitir a reabertura gradual” da economia, acrescentou João Doria, destacando o progresso alcançado nos últimos dois meses devido às medidas de isolamento social.

Segundo as autoridades de saúde do governo estadual, as medidas de isolamento social adotadas até agora em São Paulo permitiram salvar mais de 60 mil vidas e ajudaram a controlar a pandemia naquele que é o estado mais populoso e rico do país.

Na tarde de hoje, centros comerciais foram reabertos no Distrito Federal, unidade federativa onde está localizada a capital do país, Brasília, após quase 70 dias de portas fechadas.

De acordo com o decreto publicado pelo governador Ibaneis Rocha, esses estabelecimentos comerciais passarão a abrir com um horário reduzido, a partir do início da tarde, e com restrições.

Segundo indicou o presidente da Federação do Comércio (Fecomércio) do Distrito Federal, Francisco Maia, a fiscalização será rígida, com o governado do Distrito Federal a fornecer diariamente cerca de 500 testes à covid-19 destinados a lojistas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 350 mil mortos e infetou mais de 5,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Cerca de 2,2 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Por: Lusa