Covid-19: Eventos culturais com máximo de 100 pessoas em Cabo Verde com autorização prévia

284

Os espaços culturais em Cabo Verde que realizam eventos com lotação máxima de 100 pessoas têm de ter uma vistoria e uma autorização prévia da Direção Geral da Saúde, para evitar propagação da covid-19, foi hoje anunciado.

“Todos os eventos com uma lotação máxima de 100 pessoas têm de ter uma vistoria e uma autorização prévia da Direção Geral da Saúde, para cumprir as determinações da lei aprovada em julho”, disse o ministro da Cultura, Abraão Vicente, ao dar a conhecer as medidas aprovadas em Conselho de Ministros.

Uma dessas medidas foi o projeto de Proposta de Resolução que estabelece um conjunto de medidas a adotar pelos espaços culturais, para a retoma gradual das atividades laborais e económicas ligadas ao setor da cultura.

A lei publicada em julho abria a possibilidade de o setor da cultura começar a desconfinar a 01 de outubro, o que não chegou a acontecer por causa do aumento de casos, sobretudo na ilha de Santiago, que ainda está em estado de calamidade, tal como as ilhas do Sal e do Fogo.

O Conselho de Ministros estabeleceu hoje regras que devem ser adotadas pelos espaços culturais para retoma gradual das atividades laborais e económicas ligadas ao setor da cultura, tanto em espaços fechados como ao ar livre.

Entre as regras a serem adotadas, anunciou Abraão Vicente, está o distanciamento social, higienização à entrada da sala, materiais e dispositivos de higiene de prevenção da covid, espaço de isolamento para colaboradores, sempre que possível, não partilha de instrumentos musicais e higienização dos materiais.

“Nós não podemos ir mais além daquilo que a comunidade internacional neste momento aplica”, salientou o porta-voz do Conselho de Ministros, referindo que os restaurantes e cafés devem ter o máximo de quatro pessoas por 10 metros quadrados, para assim garantir o distanciamento mínimo de 1,5 metros.

Além disso, todos os espaços culturais devem dispor de um termómetro infravermelhos para medição de temperatura corporal, à entrada do edifício ou em espaços estratégicos, prosseguiu o ministro, dizendo ainda que os espaços devem ser ventilados.

A lei regula as visitas a galerias e salas de exposições, a auditórios e espaços não convencionais, continuou Abraão Vicente, afirmando que o diploma excluiu por enquanto a abertura dos cinemas, já que as salas no país são muito pequenas.

As medidas foram tomadas após pareceres da Associação de Produtores de Eventos de Cabo Verde e da Sociedade Cabo-verdiana de Música, que mostraram “reservas” e pediram que se fosse “mais além”, mas o ministro da Cultura disse que nesta altura as questões de saúde pública “prevalecem sobre qualquer outra”.

Ainda na cultura, o Conselho de Ministros aprovou o projeto de Proposta de Lei que estabelece o Quadro Jurídico dos Museus e da Rede Museus de Cabo Verde, que vai formalizar os museus, criar quadro de gestão, diferencia os museus públicos dos privados e estabelece a sua missão.

O Governo de Cabo Verde aprovou também o projeto de Proposta de Decreto-Lei que estabelece a estrutura, organização e as normas de funcionamento dos estabelecimentos prisionais, bem como o regime e o quadro de pessoal de cada cadeia, as atribuições das equipas de trabalho e as competências dos seus órgãos.

Cabo Verde tinha até quarta-feira um acumulado de 7.371 casos de covid-19, dois doentes transferidos para os seus países, 79 óbitos, 6.270 recuperados e 1.020 casos ativos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e noventa e três mil mortos e mais de 38,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Por: Lusa