Direcção Geral dos Desportos esclarece sobre alegado “acordo prévio” com FCF para pagamento de salário de equipa técnica nacional

548

Na semana passada foi noticia que a equipa técnica dos Tubarões Azuis está sem salário há seis meses e jogadores tem prémios dos jogos para receber.

Equipa técnica dos Tubarões Azuis está sem salário há seis meses e jogadores tem prémios dos jogos para receber

Entretanto a Direcção Geral dos Desportos (DGD) veio a publico esclarecer o alegado “acordo prévio” com Federação Cabo-verdiana de Futebol para pagamento de salário de equipa técnica nacional.

A DGD diz que foi com alguma surpresa que soube a noticia e estranha este fato “sendo que em nenhum momento, todas as vezes em que se abordou esta proposta da FCF nos encontros no quadro das negociações do contrato-programa para 2017, a DGD, enquanto órgão executivo do Ministério do Desporto e responsável pelas negociações e assinaturas dos contratos-programa com as federações, se comprometeu com a sua consecução”.

A entidade diz que o compromisso foi, sim, de levar esta proposta à avaliação da tutela e que foi o que fizeram. A DGD diz que sempre foi confrontada pela FCF sobre esta possibilidade, mas nunca houve esse compromisso.

“Conforme nota na posse da DGD e endereçada aos responsáveis da FCF, enviada pela tutela e assinada pela Sra. Diretora do Gabinete do Sr. Ministro do Desporto, datada de 24 de fevereiro de 2017, em resposta á proposta da FCF, se poderá constatar que tal compromisso sublinhado por uma suposta fonte da FCF nunca fora assumido também pela tutela”, diz a DGD na sua pagina oficial no Facebook.

“Na referida nota, o Ministério do Desporto respondeu, claramente, explicando “não ser possível responder positivamente à questão da transferência mensal de 500 contos para a FCF como pagamento de salários mensais aos membros da equipa técnica, por serem despesas regulares e permanentes de difícil equacionamento fora do Contrato-programa”. Isso porque, claramente, esta questão nunca teria sido posta na mesa por altura das negociações para a assinatura do contrato-programa que ora entra em vigor com o desbloqueio da primeira tranche de 30% do valor global do referido contrato”.

A DGD termina dizendo que perante os fatos descritos, para além da nota da Tutela dirigida à FCF, fica claro que a FCF nunca poderia contar com algo que sabia que não ser possível.

A FCF será contactada pela DGD no sentido de clarificar estes fatos e “evitar ruídos na comunicação entre duas instituições que estão condenadas a serem parceiras e pautarem por uma relação de excelência”.