Familiares pedem ajuda para transladar o corpo da estudante cabo-verdiana morta no Brasil

1832
Começam a aparecer detalhes sobre a morte da jovem estudante cabo-verdiana que nesta quarta-feira foi assassinada no Brasil.
Vânia Fernandes, alunos de Cabo Verde, é achada morta no Eusébio, no Ceará (Foto: Facebook/Reprodução)
Vânia Fernandes
Na tarde desta quarta-feira, 27, no Eusébio, na cidade de Fortaleza, a estudante cabo-verdiana Vânia Fernandes, de 21 anos, foi entrada morta com marcas de bala dentro do carro do seu namorado que, é policia militar. A policia ainda não identificou o autor do crime. O corpo esta na Perícia Forense do Ceará e já foi reconhecido pela tia, Dulce Cardoso, que também mora na capital cearense. “A Divisão de Homicídios instaurou inquérito policial e transferiu o procedimento para a Delegacia Metropolitana do Eusébio, responsável pela circunscrição do local onde ocorreu o fato. A investigação sobre o caso prossegue. A Polícia não descarta nenhuma possibilidade e informa que detalhes não podem ser repassados para não comprometer o andamento das apurações”, diz a Secretaria de Segurança Pública. Segundo a tia, a morte de Vânia foi informada pelo namorado. A tia conta que Vânia e o companheiro tinham um relacionamento há quatro meses. Ainda de acordo com Dulce, Vânia Fernandes frequentou em Fortaleza um curso de inglês para a formação de assistente de bordo. A delegada responsável pela investigação do caso, Ana Lúcia Moreira, vai receber no Eusébio na segunda-feira (1º) o cônsul honorário de Cabo Verde, Roberto Marinho. Vânia Fernandes era natural de São Domingos, na ilha de Santiago, e morava em Fortaleza, no estado do Ceara, há dois anos onde estudava e trabalhava. Os familiares da vitima utilizaram as redes sociais para pedir ajuda para a transladação do corpo de Vânia para Cabo Verde. Segundo Dulce Fernandes, o transporte custa cerca de torno de R$ 8 mil ou cerca de 240 mil escudos cabo-verdianos. Em sua conta do Facebook, a tia disponibiliza os números das contas através das quais as pessoas podem ajudar. Fonte: G1