Futebol: Portugal é o país que mais lucra com transferências internacionais

Portugal é o país que mais lucra com transferências internacionais no mercado de jogadores de futebol, com Sporting, Benfica e FC Porto como os melhores, realça um relatório hoje publicado pela FIFA.

178

estudo, que assinala os 10 anos do Transfer Matching System (TMS), dedicado ao registo de transações internacionais de atletas, compreende o período entre 2011 e 2020.

Aí, Portugal apresenta um saldo líquido positivo de quase três mil milhões de dólares (mais de 2,5 mil milhões de euros), o melhor de todas as associações do organismo de cúpula do futebol mundial.

A ajudar a isso está o facto de que o pódio de clubes com o melhor saldo esteja ocupado em pleno por portugueses, com o Sporting em primeiro, o Benfica em segundo e o FC Porto em terceiro, além do Sporting de Braga no 14.º lugar.

Em contraste, a Inglaterra apresenta um prejuízo líquido acima dos sete mil milhões de dólares (quase seis mil milhões de euros), também por ser o país mais gastador do mundo: 12,4 mil milhões de dólares.

Portugal, com um total de 4.397 entradas e 4.152 saídas, com 172 clubes nacionais diferentes envolvidos, é ‘apenas’ o oitavo país que mais gasta com transferências, com 1,3 mil milhões de dólares nos últimos 10 anos, mas é dos que mais faz dinheiro com vendas.

Regista o quarto valor mais elevado recebido com transações de jogadores, de 4,3 mil milhões de dólares (cerca de 3,6 mil milhões de euros); mais, só Espanha (6,2 mil milhões de dólares), Inglaterra (5,2 mil milhões) e França (4,9 mil milhões).

De resto, a nacionalidade portuguesa é a quinta que move mais dinheiro, com 2,855 mil milhões de dólares, cerca de 2,45 mil milhões de euros, nos últimos 10 anos, e 44% das verbas pagas por transferências foram-no por jogadores brasileiros, franceses, espanhóis, argentinos e lusos.

O Brasil é a maior (sete mil milhões de dólares), com França segunda (4,5 mil milhões de dólares), Espanha terceira (3,7 mil milhões) e Argentina quarta (3,2 mil milhões).

Os portugueses são a 12.ª nacionalidade mais ‘transacionada’, com 2.598 transferências registadas, numa tabela encimada, sem surpresa, pelos brasileiros, com 15.128 negócios.

A tabela dos 30 clubes mais gastadores neste período inclui apenas emblemas europeus, dois deles portugueses, o Benfica, com 167 contratações, 55,7% envolvendo uma verba, e o FC Porto, com 166, 51,8% com verba associada.

Por outro lado, as ‘águias’ conseguiram 311 vendas ou empréstimos, com 48,2% dos negócios a envolver uma verba recebida, a mesma percentagem das 226 saídas do Sporting, enquanto os ‘dragões’ têm uma taxa superior de conversão, 53,1%, de 224 negócios.

O Sporting de Braga tem 154 saídas, 32,2% delas com uma verba associada, e 173 entradas, 35,8% delas envolvendo um pagamento.

Os ‘encarnados’ são o terceiro clube com mais saídas por empréstimo – foram 189 nos últimos 10 anos; os ‘azuis e brancos’ (135) são oitavos e os ‘leões’ (130) nonos, com os minhotos (103) no 16.º posto.

Com cerca de 4.400 entradas, atrás apenas do Brasil (6,2 mil) e Inglaterra (4,6 mil), Portugal é o terceiro país com mais contratações internacionais, e o quinto com mais saídas, cerca de 4.200, quase o dobro das 2.500 transferências globais a envolverem jogadores portugueses.

O fluxo de transações mais frequente no mundo é Brasil-Portugal: 1.556 transferências, e Portugal-Brasil é o terceiro, com 934, enquanto Portugal-Espanha regista 316 negócios.

Portugal também aparece, como país vendedor, nos ‘caminhos’ mais rentáveis, nas vendas para Inglaterra, Espanha e França, mas em nenhum como comprador, e é o quarto país que mais gasta dinheiro com intermediários: 375,6 milhões de dólares, cerca de 319 milhões de euros.

De forma global, o relatório espelha as principais tendências no mercado de transferências, que envolve um aumento exponencial desde 2011 no número de negócios, e no valor das principais transações, em que os negócios de João Félix, para o Atlético de Madrid, e Cristiano Ronaldo, para a Juventus, são alguns dos mais caros, ainda que longe dos 222 milhões que custou Neymar ao Paris Saint-Germain.

A FIFA alerta ainda que apesar de o número de transações ter aumentado mais de 30% em poucos anos, a Europa domina os principais fluxos gastadores e denota um “declínio muito significativo nas contribuições de solidariedade” para clubes formadores, o que justifica “a reforma do sistema de transferências em curso”.

Por: Lusa