O preço da gasolina e do gasóleo em Cabo Verde aumentou hoje quase 9%, mantendo-se apenas a tarifa do gás butano inalterada, anunciou o Agência Reguladora Multissetorial da Economia (ARME).
 

Em comunicado, a ARME refere que a atualização dos preços máximos dos combustíveis em Cabo Verde — que é feita todos os meses — volta a levar em conta, tal como em abril, a suspensão temporária do mecanismo de fixação de preços dos combustíveis, decidida pelo Governo face à crise económica provocada pela guerra na Ucrânia.

De acordo com a nova tabela de preços máximos, que vai vigorar até 31 de maio, o litro de gasóleo normal passou a ser vendido em Cabo Verde a 146,10 escudos (1,32 euro), um aumento de 8,6%, o de gasolina a 181,60 escudos (1,64 euro), uma subida de 8,7%, o de petróleo a 128,40 escudos (1,16 euro), mais 8,7%, e o de gasóleo marinha a 110,20 escudos (um euro), um aumento de 9,2%.

O gasóleo para eletricidade aumentou 2%, para 115,00 escudos (1,04 euro) por litro, permanecendo inalterado o de gás butano, que continua a ser vendido entre os 505 escudos e os 9.739 escudos (4,6 a 88 euros), para as garrafas de três a 55 quilogramas, tal como aconteceu no mês de abril.

Para conter a escalada de preços nos combustíveis, o Governo cabo-verdiano fixou em abril um teto máximo de 5% para o aumento da gasolina e do gasóleo.

“O Governo de Cabo Verde declara a suspensão temporária, durante três meses, de abril a junho, da aplicação de mecanismos de fixação de preços dos combustíveis”, anunciou no final de março o ministro da Energia, Alexandre Monteiro.

Destacando a “conjuntura turbulenta” que se vive, o ministro avançou que a manutenção de preços dos combustíveis por intervenção do Estado representa um “impacto global” estimado em 400 milhões de escudos (3,6 milhões de euros), o que “exige esforços avultados”.

O arquipélago enfrenta uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística – setor que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do arquipélago – desde março de 2020, devido à pandemia de covid-19.

Em 2020, registou uma recessão económica histórica, equivalente a 14,8% do PIB, seguindo-se um crescimento de 7% em 2021 impulsionado pela retoma da procura turística. Para 2022, devido às consequências económicas da guerra na Ucrânia, nomeadamente a escalada de preços, o Governo cabo-verdiano baixou a previsão de crescimento de 6% para 4%.