Governo garante que crimes contra pessoas e bens diminuíram em 2018

235

O Governo tranquiliza a população em como os crimes na sua generalidade contra pessoas e património “diminuíram consideravelmente” em todo o país e que de Janeiro a Setembro houve um abrandamento de 20 por cento com menos 3.499 ocorrências.

O esclarecimento foi dado pelo ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, sublinhando que “os crimes contra pessoas, entre 2016 e 2017, caíram em Cabo Verde 20% e em 2018 a tendência de queda acentua-se para valores superiores a 30%“, afirmando mesmo que “o crime de homicídio, indicador internacionalmente convencionado como referência do nível de violência num dado país, continua a recuar para números verificados há cerca de 10 anos”.

“Se em 2016 conseguimos conter o aumento da criminalidade em Cabo Verde, chegando ao ponto de conseguirmos uma diminuição na ordem dos 3,4%, e em 2017 houve uma diminuição da criminalidade no país na ordem dos 10,7%, nesta altura, de Janeiro a Setembro, contabilizamos já uma diminuição consistente de 20,3%, que como havia citado, corresponde a menos cerca de 3.499 ocorrências”, elucidou.

Paulo Rocha faz questão de reafirmar que “os crimes contra pessoas estão a diminuir 30,5% (-2551 ocorrências), os contra o património, estão a diminuir cerca de 11% (- 948 ocorrências) e que o país tem registado “menos homicídios, menos ofensas a integridade física (-12%), menos roubos na via pública (-7,5%), menos ameaças, menos 42,6% de casos de VBG, menos 35,7% agressões sexuais”.

Na Cidade da Praia, ajuntou, que responde por cerca de 40% da criminalidade registada no país e onde a taxa de crescimento das ocorrências entre 2010-2015 foi de +33%, a redução acumulada entre 2016 e 2018 está na ordem dos -37%, recordando que de 2010 a 2015, a criminalidade aumentara 33% na Praia e 24% a nível nacional, número que, explica, mesmo nessa altura nunca “registaram 354 homicídios neste país”.

Para o governo, “seja na Praia, seja no Sal, em São Vicente, em São Domingos ou no Paul, em São Lourenço dos Órgãos, em Santa Cruz, no Fogo ou na Brava, o ambiente é hoje muito mais tranquilo, com muito menos violência, com muito menos ofensas corporais, com muito menos homicídios, com muito menos crimes sexuais, apenas para citar alguns tipos de crime”.

Segundo dados avançados pelo governante, em 2018 os crimes de homicídio continuam a diminuir na Praia, com menos 23% de homicídios que em igual período do ano passado”, quando “no ano passado, de Janeiro a Setembro ocorreram 13 homicídios” esclarecendo que ”neste ano, ocorreram 10. No ano passado, os crimes de homicídio haviam já reduzido 53% comparativamente ao ano de 2016”.

O Governo fez questão de esclarecer a opinião público para minimizar o “o impacto provocado pelo alegado aumento repentino da criminalidade no país”, com o argumento que dados avançados, “afectam directamente, não apenas a tranquilidade e bem-estar dos cabo-verdianos, como também” a credibilidade externa de Cabo Verde.

Isto porque, garante o executivo, “o quadro é claramente diferente do descrito”, pelo que entende ser fundamental esclarecer a opinião pública e repor a verdade numa matéria”, “num acto de justiça pelo trabalho árduo que as mulheres e homens das polícias desenvolvem todos os dias”.

Sublinha mesmo que “o cenário descrito estes dias [aumento de criminalidade] de modo nenhum corresponde à realidade vivida neste momento”, com o argumento que “desvirtua-a por completo”, já que “Cabo Verde é hoje um país muito mais seguro”.

Por: Inforpress