História mal contada de Zeca de Nha Reinalda – Opinião de Pedro Ben’Oliel Chantre

1094

Este artigo surge na sequência da entrevista ou depoimento do artista Zeca de Nha Reinalda ao portal NobidadeTV.

Mais de 18 mil pessoas já viram o video que foi divulgado por outros órgãos de comunicação social. Fui censurado pelo Nobidadetv. Mandei o artigo de opinião sobre o assunto que nunca foi publicado. Por esta razão decidi deixar de colaborar com o referido órgão de informação. Achei por bem reagir ao que, no meu entender, como um cidadão atento, acho errado.

Tal foi o meu espanto quando verifiquei que dias depois foi divulgado outro artigo de opinião sobre o mesmo assunto do activista Carlos Tavares. Porque será? Eis o link do artigo de Carlos Tavares: ZECA DI NHA REINALDA: sofrendo nas mãos dos dirigentes ventoinhas – http://nobidadetv.com/archives/9720 Devido a esta censura, na minha página pessoal no Facebook comentei: “Porque razão a NobidadeTV não publicou o meu texto enviado antes do Carlos Tavares? Com todo o respeito pelo video publicado pelos meus amigos e colegas, penso que foi um trabalho incompleto.

O meu artigo de opinião apresenta outra versão e leitura do testemunho de Zeca De Nha Reinalda.

Ao tomar conhecimento da história exclusiva publicada pelo portal NobidadeTV, contada por Zéca de Nha Reinalda, que disse ter sido perseguido e sem contrato musical no período 1996-2000, depois de algumas pesquisas, cheguei a conclusão que a história está mal contada.

A peça pode ter duas interpretações: uma em termos sentimentais, que pela própria imagem revela a sensibilidade do artista, aparentemente bastante abatido; outra em termos da razão que revela uma certa omissão de informação. Acredito que a minha pesquisa e relato podem não ir de acordo com a opinião de muita gente mas, em nome da liberdade de expressão e verdade, não posso deixar passar em branco o que entendo ser errado.

Deixo claro que tenho todo o respeito e a admiração por Zéca De Nha Reinalda, “O Rei do Funaná”, como homem e artista. Contudo há que separar o sentimento do homem e o talento do artista.

CONTRAPONTO SOBRE DEPOIMENTO DE ZÉCA DE NHA REINALDA

Creio que a história do Zéca de Nha Reinalda pecou por deficiência. No depoimento ele não refere sobre o período 1990-1995, certamente época de vacas gordas, onde ele ou o grupo Finaçon, acredito, por mérito próprio, ganhou mais notoriedade e conseguiu a maior projecção de sempre. O conjunto Finaçon viajou por várias partes, bateram “record” e subiram em palcos outrora impensáveis. Eis um pouco sobre a informação desse período publicado on-line pelo portal “Nos Genti”:

“Gravam em Maio de 1990 o original “Si Manera” que os catapultou para o sucesso e para a ribalta. Em França, pela mão dos Finaçon, os meses de Setembro e Outubro de 1990 foram como que um tributo a Cabo Verde. Pela primeira vez na história, um grupo musical cabo-verdiano teve lugar de destaque em jornais como o Lê Monde e as estações de rádio e de televisão emitiram o Si Manera quase até à exaustão. Toda a imprensa francesa faz referência a este grupo cabo-verdiano e o tema “Si Manera” ocupou durante semanas consecutivas o quarto lugar do “Top 18″ francês. A digressão dos Finaçon por terras gaulesas foi um enorme sucesso e constituiu um dos primeiros passos para a internacionalização da música de Cabo Verde. A consagração do sucesso dos Finaçon foi a actuação no Zenith, com Gilberto Gil. O “Si Manera” fez posteriormente parte do disco Funaná lançado em finais de 1990.

A discografia dos Finaçon ficaria completa com os álbuns Farol (1992), Simplicidade (1994) e Kel Ki Ta Da, Ta Da (1995).” http://www.nosgenti.com/?p=3315

DÚVIDAS: Ficam as seguintes perguntas: Quem pagava as despesas do Finaçon na altura? Quem facilitava as deslocações, dispensas de trabalho, vistos, etc…? A partir de 1996, período criticado por Zéca de Nha Reinalda, surgiu o grupo musical Ferro Gaita que com mais agressividade empresarial e cultural ganhou maior visibilidade e aceitação por parte do público cabo-verdiano. http://muzika.sapo.cv/novidades/somos-como-uma-familia-iduino

1- Período 1990-1996: (1.1) Não acredito que qualquer grupo em Cabo Verde tivesse meios para fazer tanta coisa sem o apoio ou patrocínio das entidades cabo-verdianas. (1.2) Não será que Finaçon foi, também, privilegiado em detrimento doutros grupos?

2 – 1996-2000: (2.1) É entendível que o grupo Financon tenha perdido terreno. (2.2) Não é aceitável que o grupo ou o artista tivesse sido perseguido ou sequer discriminado.

MAIS DÚVIDAS: Em relação ao período 1990-1996, qual o desentendimento que, de facto, existiu entre Finaçon / Zéca de Nha Reinalda e o governo, instituições ou elementos ligados ao partido no poder? Na altura estava no poder o MpD, actualmente na oposição, tendo como empresário do grupo Ferro gaita, Gugas Veiga, filho do ex-primeiro ministro, Carlos Veiga. Espero que estes dados possam ajudar a entender melhor esta história “Mal Contada”.

Espero ter contribuído em nome da verdade informativa e não politizada.

 

Pedro Ben’Oliel Chantre