Hungria autoriza exercito para disparar sobre os refugiados

1179

Foi aprovado hoje, segunda-feria, pelo parlamento húngaro para que o governo recorra ao exército para controlar as fronteiras, e isso implica que os militares possam disparar em determinadas situações.

Reuters

Segundo a agência Reuters, com esta alteração, os militares podem fazer uso das armas contra os migrantes e refugiados, desde que os tiros não sejam “mortais”. A lei autoriza o uso de balas de borracha, objectos pirotécnicos e granadas de gás lacrimogénio.
 
O primeiro-ministro, Viktor Orbán, afirmou, no parlamento, que a polícia não está a conseguir controlar as fronteiras com a Sérvia e a Croácia, e que a ajuda do exército é realmente necessária.

“Conseguimos controlar a fronteira com a Sérvia (…), [e] conseguimos controlar a fronteira com a Croácia, mas para isso precisamos que o exército e a polícia patrulhem juntos”, disse, segundo a Reuters.

A nova legislação foi aprovada com 151 votos, contra 12 contra, e 27 abstenções – apoiada pelo partido nacionalista radical “Jobbik”, que pede medidas ainda mais severas.

Fonte: Reuters