Investimento Direto Estrangeiro em Cabo Verde aumentou 12%

144

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) em Cabo Verde aumentou mais de 12% de janeiro a setembro, face ao mesmo período de 2020, para quase 55 milhões de euros, crescimento impulsionado por Portugal, segundo dados oficiais compilados pela Lusa.

Um relatório estatístico do Banco de Cabo Verde (BCV) refere que o arquipélago captou de janeiro a setembro (três trimestres) de 2021 quase 6.013 milhões de escudos (54,5 milhões de euros) em investimento estrangeiro – mais de metade no setor do turismo -, valor que compara com os 5.350 milhões de escudos (48,5 milhões de euros) no mesmo período de 2020, já com os efeitos da crise provocada pela pandemia de covid-19.

O IDE em Cabo Verde, que inclui também participações, lucros reinvestidos e outro capital, voltou a ser liderado nos primeiros nove meses de 2021 por Portugal, com quase 1.060 milhões de escudos (9,6 milhões de euros), também essencialmente no setor do turismo.

No mesmo período de 2020, o IDE português em Cabo Verde foi de 815,6 milhões de escudos (7,4 milhões de euros), segundo os dados do BCV.

A Lusa noticiou anteriormente que Portugal liderou no IDE em Cabo Verde em 2020, que passou de valores negativos no ano anterior para 13,2 milhões de euros.

De acordo com um relatório anual do BCV, globalmente, o IDE em Cabo Verde caiu 32,5% em 2020, para cerca de 7.080 milhões de escudos (63,6 milhões de euros), impacto justificado com os constrangimentos provocados pela pandemia de covid-19.

Depois de um registo negativo, de desinvestimento, de -907,4 milhões de escudos (-8,1 milhões de euros) em 2019, o IDE de Portugal em Cabo Verde voltou a liderar em 2020, totalizando praticamente 1.478 milhões de escudos (13,2 milhões de euros), dos quais 730,8 milhões de escudos (6,5 milhões de euros) no turismo e imobiliária turística, segundo o mesmo relatório anterior.

Seguiu-se o IDE de Espanha, que disparou 39% face a 2019, para mais de 1.249 milhões de escudos (11,2 milhões de euros) em 2020, enquanto o investimento angolano diminuiu para 242,1 milhões de escudos (2,1 milhões de euros) e o chinês caiu para 215,8 milhões de escudos (1,9 milhões de euros).

No histórico do IDE em Cabo Verde, Portugal e Espanha lideram há vários anos.

De acordo com dados da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, a comunidade portuguesa em Cabo Verde desenvolve atividades nas áreas do comércio, incluindo a distribuição alimentar e de bebidas, na hotelaria e restauração, na construção civil e metálica, entre outros.

Os investimentos de Espanha no arquipélago prendem-se sobretudo com o setor das pescas e da hotelaria.

Por: Lusa