Ministra franco-cabo-verdiana Elisabeth Moreno promete continuar combate pela igualdade

119

A transferência de poderes entre a franco-cabo-verdiana Elisabeth Moreno, nova ministra-delegada da Igualdade em França, e a sua antecessora aconteceu esta tarde, com a garantia de que “o combate” pela igualdade é para continuar.

A igualdade entre homens e mulheres é o mais belo combate dos nossos tempos. Não batalha entre os sexos. Não há maior complementaridade que entre homens e mulheres”, disse hoje, na cerimónia de posse, Elisabeth Moreno, o único membro negro do novo executivo francês.

Elisabeth Moreno tem 49 anos, nasceu no Tarrafal, em Cabo Verde e chegou a França com seis anos. Era, até agora, diretora para África do grupo Hewlett-Packard, tendo antes disso exercido funções de direção na Lenovo, onde chegou a presidir ao grupo em França. 

Ao mesmo tempo, Moreno foi também membro consultivo da Agência Francesa para o Desenvolvimento.

No discurso de tomada de posse, em que agradeceu à sua antecessora, Marlène Schiappa, a nova ministra não esqueceu as suas origens.

“Eu não venho deste mundo, nada me predestinou a estar aqui à vossa frente a servir a República francesa”, declarou, lembrando que cresceu num bairro social e que a sua mãe era mulher da limpeza e o seu pai trabalhava na construção civil.

Para além da tutela sobre a matéria da igualdade, Elisabeth Moreno é ainda responsável pela temática da Diversidade e da Igualdade de Oportunidades, garantindo que pretende “imprimir” a sua marca no mandato. A ministra vai trabalhar diretamente sob a alçada do primeiro-ministro, Jean Castex.

Até ser chamada a assumir funções no Governo, Moreno advogava pelo desenvolvimento do continente africano, assim como a progressão das mulheres nas carreiras ligadas à tecnologia.

O executivo cabo-verdiano, através do vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, elogiou hoje a escolha da cabo-verdiana Elisabeth Moreno para nova ministra da Igualdade de Género no Governo francês, nomeação que disse mostrar que, com empenho, “qualquer um pode chegar onde quiser”.

“A nomeação da doutora Elisabeth Moreno é um exemplo em como saindo de um local pacato deste arquipélago, indo para um país europeu, estudando, batalhando, consegue-se atingir um elevado cargo fora de Cabo Verde”, reconheceu Olavo Correia, numa mensagem divulgada esta tarde.

Elisabeth Moreno nasceu no concelho do Tarrafal, a norte da ilha cabo-verdiana de Santiago, em 20 de setembro de 1970. Na companhia dos pais e cinco irmãos mais novos, deixou Cabo Verde em 1977, emigrando para França.

“A principal mensagem que esta nomeação transmite é que, qualquer um pode chegar onde quiser desde que se empenhe, que trabalhe e se prepare para o efeito. Sermos ambiciosos, mas também, trabalharmos em função da nossa ambição para atingirmos com mérito os resultados que esperamos atingir. Não é relevante de onde viemos. O importante é para onde vamos”, sublinhou Olavo Correia.

A nomeação de Elisabeth Moreno para o Governo francês já foi saudada igualmente pelo primeiro-ministro de Cabo Verde.

“Desejamos-lhe sucessos na nova missão com elevado reconhecimento de excelência e mérito”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

Também o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, elogiou a nomeação da cabo-verdiana para o cargo de ministra em França: “As minhas felicitações e votos de sucesso à senhora Elisabete Moreno, também nossa conterrânea, no exercício de funções de ministra da República Francesa”.

Por: Lusa