Mota-Engil vai construir terminal de cruzeiros na ilha de São Vicente

211

O consórcio luso-cabo-verdiano constituído pelas empresas Mota-Engil e Empreitel Figueiredo vai construir o Terminal de Cruzeiros do Mindelo, ilha de São Vicente, uma das maiores obras públicas dos últimos anos em Cabo Verde, foi hoje anunciado.

“Tendo-se obtido a ‘não-objeção’ dos financiadores do projeto, a assinatura do contrato com o empreiteiro selecionado decorrerá nos próximos dias”, anunciou em comunicado a empresa pública Enapor, que gere os portos do arquipélago, adiantando que a obra será adjudicada por 26.483.603 euros e tem um prazo estimado para conclusão de 22 meses.

“Os trabalhos vão envolver a conquista de um terrapleno, denominada ‘Ponte Terrestre’, com 2.700 metros quadrados, a dragagem de aproximadamente 124.000 metros cúbicos na bacia portuária e no canal de acesso e a reabilitação do cais nove, que passará a servir navios de recreio de pequeno porte”, acrescenta a Enapor.

Na sua “componente mais importante”, envolve ainda a construção de um molhe de atracação de 400 metros de comprimento, com uma profundidade de 11 metros a norte e nove metros a sul, bem como uma gare de passageiros com 900 metros quadrados de área e respetivo ordenamento exterior, incluindo um parque de estacionamento.

“Com este projeto, Mindelo terá um Terminal de Cruzeiros inovador, moderno e com características técnicas bastante avançadas”, afirma a Enapor.

Cerca de 48.500 turistas em viagens de cruzeiro visitaram Cabo Verde em 2019, um aumento de 3% face ao ano de 2018.

Devido à pandemia de covid-19, o turismo de navios de cruzeiro ficou paralisado, mas alguns países já retomaram, de forma gradual, a atividade “e espera-se que, com a construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo e a melhoria das condições sanitárias a nível mundial, o país passe a receber anualmente cerca de 200.000 turistas de cruzeiros”.

Esta obra é co-financiada pelo Fundo ORIO, dos Países Baixos, e pelo Fundo OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional.

Por: Lusa