Movimento total de passageiros nos aeroportos cresceu 7% em 2021

101
O movimento total de passageiros nos aeroportos cabo-verdianos cresceu 7% em 2021, face a 2020, para mais de 830 mil, um resultado melhor do que o esperado face às restrições impostas pela pandemia de covid-19, indicam dados oficiais.
 

De acordo com dados compilados hoje pela Lusa a partir das estatísticas da Agência de Aviação Civil (AAC), que regula o setor em Cabo Verde, os aeroportos e aeródromos do arquipélago registaram de janeiro a dezembro de 2021 um movimento de 14.284 aeronaves em embarques e desembarques (aumento de 8,5% face a 2020), em voos internacionais e domésticos.

O número de passageiros em embarques, desembarques e trânsito em todo o ano passado foi de 287.752 em voos domésticos e 542.488 em voos internacionais, traduzindo-se num movimento global de 830.240 passageiros, contra os 775.998 em igual período de 2020 (+7%). Contudo, os aeroportos cabo-verdianos só funcionaram em 2020 até março, tendo sido suspensas todas as ligações aéreas, domésticas (até julho) e internacionais (até outubro), para conter a pandemia de covid-19.

A recuperação de tráfego nos aeroportos cabo-verdianos no final do ano é justificada desde logo com o aumento nas ligações internacionais, com 116.024 movimentos em dezembro passado, em 1.100 aeronaves, contra os 16.071 no mesmo mês de 2020, e apenas 395 aeronaves, representativo do aumento da procura turística pelo arquipélago.

Contudo, estes números ainda estão longe dos verificados antes da pandemia de covid-19. De janeiro a dezembro de 2019, os aeroportos de Cabo Verde movimentaram 2.771.931 passageiros, em 35.002 movimentos de aeronaves em voos domésticos e internacionais.

Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais, nas ilhas de Santiago, do Sal, da Boa Vista e de São Vicente, e três aeródromos, nas ilhas de São Nicolau, Maio e Fogo, todos operados pela ASA.

Estimativas anteriores da empresa estatal Aeroportos e Segurança Aérea (ASA) apontavam que o movimento nos aeroportos de Cabo Verde deveria ficar abaixo de 500 mil passageiros em 2021, agravando a perda de quase dois milhões de passageiros no ano anterior.

As previsões constavam do relatório e contas de 2020 da empresa que gere os quatro aeroportos internacionais e três aeródromos do país, fortemente afetada pela pandemia de covid-19, que levou a um prejuízo de 1.771 milhões de escudos (16 milhões de euros) naquele ano.

A atividade da ASA encontra-se “fortemente condicionada, sendo que apresenta diferentes perspetivas entre segmentos de negócio para 2021”, reconhece a empresa, admitindo que no caso do segmento de Gestão Aeroportuária, o cenário para este ano é “conservador, sendo fortemente dependente do setor do turismo, que se encontra perante um desafio sem precedentes”.

“Neste contexto, em 2021, o movimento de aeronaves deverá apresentar uma nova redução, prevendo-se uma quebra em torno dos 18%, face a 2020, refletindo-se num movimento de passageiros cerca de 38% abaixo de 2020. Para estas perspetivas contribui, igualmente, a questão do primeiro trimestre de 2020 (…), na qual se continuava a observar um crescimento do tráfego apenas interrompido no decorrer de março de 2020 [devido às restrições provocadas pela pandemia]”, lê-se no relatório.

Esta previsão agravava o cenário de 2020, em que segundo o relatório e contas da empresa, que contabilizou um movimento de 775.998 passageiros (embarques, desembarques e em trânsito), menos 72% (perda de quase dois milhões de passageiros) face a 2019, enquanto o movimento de aeronaves caiu 63% (menos 22.000), para 13.162.

Cabo Verde registou em 2019 um recorde de 819 mil turistas, setor que garante 25% do Produto Interno Bruto, mas que está parado desde março de 2020, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19, afetando igualmente o setor aeronáutico e de navegação aérea.

Por: Lusa