É noticia do dia a nível mundial, uma investigação jornalística internacional desvendou um mega-processo de fuga ao fisco e branqueamento de capitais que envolve pessoas de todo o Mundo. Nenhum cabo-verdiano e nenhuma empresa no arquipelago tem o seu nome neste escândalo denominado ‘Panama papers’. 370 jornalistas de mais de 70 países, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, fizeram juntos uma pesquisa e colectaram 11 milhões e meio de documentos que vieram ao publico. Neste escândalo de fuga ao fisco e branqueamento de capitais estão nomes como o dos Presidentes da Rússia, China e Ucrânia, o do rei saudita ou do primeiro-ministro islandês. O jogador do Barcelona, Lionel Messi e o ex-presidente da UEFA Michel Platini também tem o seus nomes envolvidos neste escandalo- Segundo a RTP, os Os Panama papers, como foram chamados, denunciam uma gigantesca operação, à escala planetária, de fuga ao fisco e branqueamento de capitais através de paraísos fiscais, que teria como eixo uma sociedade de advogados panamiana, a Mossack Fonseca, que, à agência de notícias EFE, nega “qualquer responsabilidade pelo comportamento dos clientes” e que assegura “absoluto respeito pelas leis internacionais”. Nenhum cabo-verdiano encontra-se na lista mas nos países que falam o português, Angola tem José Maria Botelho de Vasconcelos, é actualmente ministro do petróleo angolano, o Brasil tem envolvido João Lyra, membro do parlamento. Idalécio de Oliveira, dono das empresas Lusitania Group, é luso-brasileiro e ‘representa’ tanto o Brasil como Portugal. Estão pelo menos 128 figuras políticas, incluindo 12 antigos e actuais líderes mundiais, e mais de 200 mil empresas fictícias.