Oficial: Morna é Património Imaterial da Humanidade

O Comité Intergovernamental fechou o processo da UNESCO, elevando a música maior de Cabo Verde a Património.

351

O comité técnico dos peritos da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) aprovou o dossiê da morna a Património da Humanidade.

Agora sim, a morna foi elevada a Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO. A decisão final saiu do Comité Intergovernamental de salvaguarda do Património Imaterial da Humanidade, reunido até sábado, 14 de dezembro, em Bogotá.

O dossiê da sua candidatura a Património Imaterial Cultural da UNESCO, com mais de mil páginas e cerca de 300 entrevistas, foi formalmente entregue em 26 de março de 2018 e já em novembro passado teve a aprovação da comissão de peritos daquela organização.

Foi na capital da Colômbia que o grupo de representantes de estados-membros da UNESCO deu o passo final no processo iniciado pela música mais icónica de Cabo Verde em março de 2018. Em novembro de 2019, o Ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, já tinha celebrado a classificação. Na altura, tinha sido apenas o Comité Técnico de Peritos da UNESCO a dar um parecer favorável ao dossier da morna — uma decisão não vinculativa, mas geralmente respeitada pelo Comité Intergovernamental.

A decisão final sobre a ratificação da classificação foi tomada hoje durante a 14.ª reunião anual do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que se realiza a partir desta segunda-feira, e até sábado, em Bogotá, Colômbia.

A morna, cantiga crioula que surgiu há 200 anos entre as ilhas cabo-verdianas da Boa Vista e da Brava.

Marcada pelas letras do poeta Eugénio Tavares (ilha da Brava, 1867 – 1930) e mais de tarde de Francisco Xavier da Cruz ou ‘B.Léza’ (ilha de São Vicente, 1905 – 1958), a morna conheceu o seu expoente maior fora de Cabo Verde através da cantora Cesária Évora (1941 – 2011), que através da música abriu as portas do mundo a um país de pouco mais de meio milhão de habitantes.

Por: DTudo1Pouco/Observador