Sal deixa de realizar testes de viagens para qualquer ilha de Cabo Verde

130

A ilha do Sal passou a ser a única onde não é preciso testes rápidos de despiste da covid-19 para qualquer ilha de Cabo Verde, continuando a exceção no percurso São Vicente – Santo Antão, foi ontem divulgado.

A informação foi avançada pelo Ministério da Saúde, que atualizou os critérios de realização de teste rápidos para viagens interilhas, que estavam em vigor desde 10 de maio, tendo sido atualizados em 21 de junho, para serem avaliados conforme a evolução da situação epidemiológico do país.

Nos novos critérios, mantém a exceção de não realizar testes no percurso São Vicente – Santo Antão, onde entra a ilha do Sal, a única a passar da lista amarela para a verde, com uma taxa de incidência acumulada nos últimos 14 dias inferior a 25 casos por 100 mil habitantes.

Assim, os cidadãos que saem dessa ilha agora não precisam realizar testes de viagens, marítimas e aéreas, para qualquer outra ilha do arquipélago cabo-verdiano.

Conforme dados avançados na segunda-feira pelo Ministério da Saúde, a ilha do Sal, a mais turística do arquipélago, tem neste momento seis casos ativos de covid-19 e já vacinou 60,6% da sua população adulta contra a covid-19.

A ilha do Sal, a par da Boa Vista, que concentrarem cerca de 75% da atividade turística do país, estão a ser vacinados com maior celeridade a pensar no regresso do turismo, que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do arquipélago.

“Para o Sal e Boa Vista, tendo em conta importância no aspeto do turismo dessas duas ilhas, vamos acelerar a vacinação da população. As equipas de vacinação dessas ilhas vão ser reforçadas, neste momento já estão a receber formação”, disse em 04 de junho o ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, sublinhando que o processo será reforçado em todas as outras ilhas.

Até segunda-feira, o país tinha recebido 409 mil doses de vacinas contra a covid-19 e já aplicou 141.390 doses, representando 34,6% do total, sendo que 125.242 pessoas já tomaram a primeira dose (33,8%) e 16.148 pessoas (4,4%) a segunda.

Nos novos critérios, as ilhas de Santo Antão, Maio, Fogo e Brava continuam na lista vermelha, ou seja, têm uma taxa de incidência acumulada nos últimos 14 dias superior a 150 casos por 100 mil habitantes.

Dessa lista vermelha saiu a ilha de São Nicolau, que agora é amarela, tal como São Vicente, Santiago e Boa Vista, todas com uma taxa de incidência acumulada nos últimos 14 dias entre 25 a 150 casos por 100 mil habitantes.

Os novos critérios foram publicados na segunda-feira, mas o Ministério da Saúde informou que haverá uma tolerância de 48 horas para a entrada em vigor, “de forma que os estabelecimentos de saúde e os passageiros possam se organizar melhor e evitar constrangimentos maiores nas viagens interilhas”.

As crianças com idade inferior a 7 anos estão isentas da realização do teste rápido para viagem entre as ilhas, ainda segundo os critérios, que serão atualizados a cada 15 dias, conforme a situação epidemiológica do país.

Até segunda-feira, Cabo Verde tinha um acumulado de 33.317 casos positivos de infetados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, dos quais 295 resultaram em morte, 32.496 casos considerados recuperados e há ainda 506 casos ativos.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.100.352 mortos em todo o mundo, entre mais de 190,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Por: Lusa