São Vicente: Cinco estudantes vindos da China em “indicação domiciliar” por prevenção

318

Cinco estudantes, quatro de São Vicente e um de Santo Antão, vindos nestes últimos dias da China, encontram-se em “indicação domiciliar” como prevenção e para despiste do novo coronavírus, avançou o delegado de Saúde de São Vicente.

Conforme Elísio Silva avançou hoje à Inforpress, as autoridades sanitárias, no Mindelo, iniciaram o controlo na fronteira aérea na sexta-feira e desde então já colocaram cinco pessoas de “indicação domiciliar”.

“Temos uma equipa no aeroporto Cesária Évora que os têm recebido e tem dado as recomendações tanto aos estudantes quanto aos familiares”, explicou o delegado de Saúde em São Vicente, que avançou com quatro casos na sua ilha e um em Santo Antão.

A Delegacia de Saúde, segundo a mesma fonte, tem mantido “contacto diário” com os estudantes para saber do estado de saúde e saber se há algum sintoma.

“Até agora não registamos nada, mas falámos com os familiares diariamente, que estes devem ter o mínimo de contacto possível com as outras pessoas, sem visitas, pelo menos nestas próximas duas semanas, tempo que normalmente o vírus se manifesta”, sublinhou.

Elísio Silva adiantou ainda que as autoridades sanitárias na ilha já tiveram reuniões com a associação de empresários chineses e com responsáveis da Embaixada da China que “têm estado a apoiar” nessa prevenção.

“A associação, inclusive, recomendou aos chineses que estão cá a não viajarem para China e os que foram para as festas do Ano Novo a não regressarem por enquanto”, assegurou o responsável máximo do sector da saúde na ilha, que apontou ainda um caso de uma chinesa, residente em São Vicente, que viajou para China e no regresso foi colocada de quarentena pelos próprios chineses.

Entretanto, conforme a mesma fonte, a quarentena da cidadã terminou, visto que passou o período de 15 dias.

Entretanto, as autoridades da província de Hubei chinesa anunciaram hoje que o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus subiu para 362, depois de 56 pessoas terem morrido na China e uma nas Filipinas.

No seu balanço diário, a comissão de saúde da província onde se situa Wuhan, a cidade onde começou o contágio, afirmou que foram registados 2.829 novos casos de infecção no surto de pneumonia provocado pelo novo coronavírus.

Desde Dezembro já surgiram 17.205 casos, em toda a China, da doença que levou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a decretar uma emergência mundial e que já se espalhou a 20 países.

No domingo, morreu a primeira pessoa infectada fora da China, nas Filipinas: um chinês de 44 anos, natural de Wuhan.

Um avião da Força Aérea Portuguesa transportou para Lisboa, no domingo, um grupo de 20 pessoas – 18 portugueses e duas cidadãs brasileiras – retiradas da cidade chinesa de Wuhan, foco do novo coronavírus.

Por: Inforpress