Senegal avisa jornalistas de que podem enfrentar sanções

168

O Governo senegalês avisou os jornalistas e os utilizadores da Internet de que poderão enfrentar sanções se publicarem informações que “minam a defesa nacional”, na sequência da perda e desaparecimento recente de soldados num confronto na Gâmbia.

aviso, emitido pelo Ministério da Defesa na quarta-feira à noite, ocorre pouco depois de dois soldados terem sido mortos no início desta semana e de outros nove terem desaparecido na sequência de um confronto com supostos rebeldes pertencentes ao Movimento das Forças Democráticas de Casamansa (MFDC) na Gâmbia, um país que forma um enclave no sul do Senegal.

O ministério senegalês não esclarece o que motivou a declaração.

O comunicado destina-se aos “atores envolvidos no domínio da divulgação de informação, a título profissional ou não” e pede-lhes “que prestem especial atenção para não divulgarem ou transmitirem informações que possam prejudicar a defesa nacional”.

A lei pune crimes e delitos contra a defesa nacional, adverte o Governo senegalês, que lembra que as penas são mais severas contra militares e paramilitares que eventualmente venham a infringi-la.

As autoridades senegalesas anunciaram na segunda e na terça-feira a morte de dois soldados senegaleses integrados na missão da África Ocidental na Gâmbia (Ecomig), e o desaparecimento de outros nove, na sequência de confrontos com alegados rebeldes de Casamansa durante uma operação contra o tráfico de madeira em território da Gâmbia.

Dacar acredita que os soldados senegaleses desaparecidos sejam prisioneiros dos rebeldes do MFDC.

A Gâmbia tem servido de base dos rebeldes do MFDC, que lutam há 40 anos pela independência de Casamansa, uma região do sul do Senegal, separada precisamente do resto do país pelo território gambiano.

A região de Casamansa, no sul do Senegal e junto à fronteira com a Guiné-Bissau, é o cenário de uma rebelião armada desde 1982, atualmente considerada como um conflito de baixa intensidade, entre o Governo em Dacar e o MFDC.

O movimento exige a independência daquela região senegalesa, separada do resto do país pela vizinha Gâmbia, e que historicamente se reclama abandonada pelo Governo senegalês.

Ao contrário do norte do país, mais árido, o sul do Senegal tem terras férteis e é rico em recursos florestais, sendo o tráfico ilegal de madeira nos últimos anos a principal fonte de financiamento do MFDC, segundo um relatório da organização não-governamental britânica Environmental Investigation Agency (EIA).

Casamansa já foi a zona turística mais popular do Senegal pelas suas florestas e qualidade das praias e, ainda que a rebelião independentista tenha limitado o seu potencial, tem gozado de longos períodos sem incidentes violentos.

Catorze lenhadores foram mortos em janeiro de 2018 por homens armados que, no mesmo mês, assaltaram também quatro turistas espanhóis, depois de terem parado o veículo em que viajavam.

Os incidentes do início desta semana foram o acontecimento mais grave em vários anos, relacionados com o conflito de Casamansa, que no passado já colheu milhares de vidas e devastou a economia senegalesa, obrigando dezenas de milhares de pessoas a fugir ou refugiar-se na Guiné-Bissau e na Gâmbia nos seus primeiros anos.

O exército senegalês realizou, por várias ocasiões nos últimos anos, operações militares com o objetivo de neutralizar os rebeldes que se refugiam na zona e combater as atividades dos bandos armados, permitindo às populações regressar às suas casas.

Por: Lusa