Senegal e Ruanda acordam com a BioNTech produção de vacinas em África

O Senegal e o Ruanda assinaram um acordo com a empresa alemã BioNTech para a construção das suas primeiras fábricas de produção de vacinas de RNA por mensageiro em África.

120

A BioNTech, que produz a vacina Pfizer-BioNTech COVID-19, anunciou hoje, através de um comunicado, que a construção terá início em meados de 2022 e que se encontra a trabalhar com o Instituto Pasteur em Dakar, capital do Senegal, e com o Governo ruandês.

“Instalações de ponta como esta irão salvar vidas e alterar o jogo para África e poderão levar a que milhões de vacinas de ponta sejam feitas para africanos, por africanos, em África”, referiu Matshidiso Moeti, a diretora regional para África da Organização Mundial da Saúde (OMS).

E acrescentou: “Isto é também crucial para a transferência de conhecimentos e ´know-how`, novos empregos e competências e, em última análise, reforço da segurança sanitária de África”.

Ugur Sahin, o cofundador e administrador da BioNTech, disse que o seu objetivo é “desenvolver vacinas na União Africana (UE) e estabelecer capacidades sustentáveis de produção de vacinas para melhorar conjuntamente os cuidados médicos em África”.

A BioNTech já tinha concordado, em agosto, em trabalhar com o Ruanda e o Senegal para estabelecer instalações em África capazes de fabricar, de ponta a ponta, vacinas baseadas no mRNA, sob licença.

O novo processo do mRNA utiliza o código genético para a proteína do espigão do novo coronavírus e pensa-se que desencadeia uma melhor resposta imunológica do que as vacinas tradicionais.

Os cientistas esperam que a tecnologia, que é mais fácil do que os métodos de vacina tradicionais, possa acabar por ser utilizada para fazer vacinas contra outras doenças, incluindo a malária.

A BioNTech afirmou que as instalações em África acabarão por produzir cerca de 50 milhões de doses da vacina por ano, com a capacidade de aumentar, e adiantou que está em discussões para expandir a sua parceria com o fabricante sul-africano de vacinas Biovac, que está sediado na Cidade do Cabo.

O anúncio da BioNTech foi criticado por Rohit Malpani, um consultor independente de saúde pública em Paris, que trabalhou anteriormente para os Médicos Sem Fronteiras (MSF).

“Isto é muito pouco e tarde demais”, disse Malpani. “Nada deveria ter impedido a BioNTech de o fazer há um ano, quando estavam a construir fábricas nos Estados Unidos e na Alemanha. O facto de terem ficado de braços cruzados e terem permitido que esta vacina do ‘apartheid’ proliferasse e tivesse deixado milhões de pessoas sem vacinas mostra que não podemos confiar nestas empresas”.

Malpani salientou que o acordo é para produzir a vacina sob licença da BioNTech.

“Isto pode expandir a produção, mas o controlo sobre as vacinas ainda está, em última análise, nas mãos da BioNTech”, referiu. “Quando estas vacinas chegarem, já será demasiado tarde para milhões de pessoas. Isto não garante que os países terão acesso às vacinas ou que serão capazes de responder melhor a futuras pandemias”.

A Afrigen Biologics and Vaccines na Cidade do Cabo criou um laboratório e reuniu cientistas para produzir uma vacina mRNA que é uma réplica da vacina Moderna, utilizando informação que está publicamente disponível. Com o apoio da OMS, a Afrigen planeia desenvolver e produzir uma vacina contra o mRNA covid-19 independente do Moderna ou de outras grandes empresas farmacêuticas.

Em julho, o Senegal tinha anunciado que o Instituto Pasteur iria gerir um novo centro de fabrico para produzir vacinas, inclusive para contra a covid-19. O orçamento para o centro foi estimado em 200 milhões de dólares (172.4 milhões de euros) e seria parcialmente financiado por fundos dos governos e instituições europeias e americanas.

Estes centros de fabrico de vacinas em África ajudarão a reduzir a sua dependência das importações, uma vez que o continente depende atualmente das importações para cerca de 99% das suas necessidades de vacinas, de acordo com a OMS.

África e os seus 1,3 mil milhões de pessoas continuam a ser a região menos vacinada do mundo contra a covid-19, com pouco mais de 5% totalmente vacinados, de acordo com os Centros Africanos de Controlo e Prevenção de Doenças.

África regista quase 217 mil mortes devido à covid-19 e 8,46 milhões de infetados com o novo coronavírus.

A covid-19 provocou pelo menos 4.952.390 mortes em todo o mundo, entre mais de 243,97 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Por: Lusa