Taça Cabo Verde: Treinadores do Santo Crucifixo e Palmeira confiantes na vitória

316

Os treinadores de Santo Crucifixo e da Palmeira manifestaram-se ontem confiantes na vitória das respectivas equipas no jogo da final da Taça de Cabo Verde, a realizar-se, hoje, domingo, no Estádio Nacional, na Cidade da Praia.

Em conferência de imprensa para antevisão da partida, Jorge Fonseca, treinador do Santo Crucifixo, disse que a sua equipa, que participa pela primeira vez nas competições nacionais, está “motivada” levando em conta o percurso feito na prova.

“Os jogadores estão bem preparados física e mentalmente para encarar este jogo com muita responsabilidade, atendo a situação que Santo Antão tem participado em várias finais sem vencer”, notou Jorge Fonseca, lembrando que para chegar à final o Santo Crucifixo pelo caminho a Académica da Praia e Mindelense, duas das melhores equipas de Cabo Verde.

Jorge Fonseca faz, no entanto, um balanço positivo da época, independentemente do resultado da final, uma vez que venceu todas as competições na sua região desportiva e no campeonato nacional ficou a um golo de se apurar para as meias-finais.

Gigi Fortes, treinador da Palmeira, foi na mesma senda, garantindo que a equipa está preparada para a final e explicou que foi traçado um programa para colmatar o facto de estarem um mês sem competir.

Palmeira entrou para a Taça de Cabo Verde na segunda eliminatória e apurou-se para a final ao vencer o Barreirense do Maio, nos penáltis, em partida realizada no dia 29 de Abril, no Estádio Marcelo Leitão, na Ilha do Sal.

“Fizemos um programa para defrontar qualquer equipa e tivemos que fazer uma observação cuidadosa no sentido de no dia da final darmos melhor resposta”, explicou Gigi Fortes, avisando que as “finais são feitas para ganhar”.

Latch, avançado da Palmeira, um dos mais experientes e titulado da equipa, disse que tem passado “muito tempo” aos colegas, de modo a conseguir a levar o troféu para a ilha do Sal, que está há muito tempo longe das decisões das competições nacionais.

“Sal está a merecer um título a nível nacional e vencer este troféu terá um sabor especial por ser com uma equipa que nos últimos dois anos tem feito um grande percurso e que foi campeão depois de 18 anos “notou o jogador bicampeão nacional pelo Mindelense.

Por seu turno, Amunike, do Santo Crucifixo, avisou que a formação da localidade de Coculi vai para o jogo de domingo para ganha e que vai aproveitar a experiência dos seus jogadores para ser mais forte durante toda a partida e levar a Taça para Santo Antão.

Para chegar a final Santo Crucifixo eliminou o Marítimo, de Santo Antão Sul, o Mindelense, São Vicente, e a Académica da Praia, enquanto a Palmeira deixou pelo caminho o Barreirense do Maio.

Por: Inforpress