Inicio Internacional Desporto Última jornada sem público nas bancadas na primeira liga portuguesa de futebol

Última jornada sem público nas bancadas na primeira liga portuguesa de futebol

163

A Liga de Clubes informou que, ao contrário do que estava previsto, não haverá público nas bancadas na derradeira jornada por motivos de “equidade”.

“A Direção da Liga Portugal reuniu-se na manhã desta segunda-feira, num encontro de caráter extraordinário – depois de o ter feito de forma ordinária na passada sexta-feira -, tendo ficado decidido que a última jornada da Liga NOS não terá público em testes-piloto, como chegou a ser uma possibilidade”, informa o organismo dem comunicado.

“Entre vários outros motivos, a Direção da Liga Portugal entendeu que não estavam reunidas todas as condições de equidade, quando na jornada 34 existem equipas que, desportivamente, têm o futuro ainda por decidir”, explica-se.
 
Eis na íntegra o comunicado de Pedro Proença, presidente da Liga:

“Perante as informações trazidas a público sobre a possibilidade de realização de novos testes pilotos com público na última jornada da Liga NOS, a Direção da Liga Portugal reuniu ordinariamente na passada sexta-feira, dia 15 e extraordinariamente na manhã de hoje, segunda-feira, dia 17.

Na reunião de hoje, os membros da Direção deliberaram, por unanimidade, não estarem reunidas as condições para a realização dos referidos testes e, em consequência, não autorizar a respetiva realização.

Com efeito, e conforme se lê na deliberação anexa, na incerteza, que permanece, sobre as condições que as autoridades de saúde poderão vir a fixar, seria impossível preparar um plano de implementação a um dia da realização dos jogos. A esta ponderosa razão acresce a circunstância de, ao contrário do defendido pela Liga Portugal, a penúltima jornada não ter tido público nos estádios. Ora, com diversos objetivos desportivos ainda em aberto, permitir que apenas uma parte das equipas pudessem ter o seu púbtico presente nesta jornada decisiva, constituiria uma grave entorse à verdade desportiva e à equidade entre os competidores”.
 
Por: RTP